Indo nós...
Quarta, 28 de Março de 2018

A chuva e o frio não nos assustaram no fim-de-semana passado. Já andávamos a sonhar com uns dias assim há muito tempo, e por isso foi só fazer as malas e ir sem pensar. Quando chegámos ao Aqua Village, nem queríamos acreditar! Como é que nunca tínhamos vindo aqui? E tão perto de casa. No meio do pesadelo do cenário em redor de Oliveira do Hospital - onde os incêndios do ano passado deixaram um rasto de dor e de tragédia -, eis que um oásis se ergueu no meio do nada. Como se fosse um palácio perdido. E com tanta coisa boa - um manjar dos Deuses, staff incansável, envolvente louvável, uma banda sonora improvável -, ficámos rendidos ao nosso quarto. De um conforto e cosiness absolutamente irrepetíveis! Com uma banheira/jacuzzi na varanda do quarto que fez as delícias da família toda. Com 7 graus lá fora, era difícil um banho quente de espuma mais espectacular. E depois o spa. Muito provavelmente o melhor do nosso país. Com uma piscina a perder de vista sob a paisagem de árvores e água brancas e geladas. De lá não queríamos sair, nem a saber o que nos esperava! E o pequeno-almoço? Sim, com tudo a que temos direito! Frutos secos, iogurtes homemade, fruta fresca deliciosa, sumos naturais, mel e compotas caseiras, pão delicioso da região. Até o café quente era de chorar por mais! Ficámos rendidos por este hotel, e saímos de lá com uma certeza: havemos de voltar, cheios de vontade e destreza!

Seguimos caminho até uma das 10 aldeias mais bonitas de Portugal. Já conhecíamos Piodão, mas agora ainda teve mais encanto. Chovia copiosamente. Mas até a chuva lhe deu mais sentido. Sentados numa taberna, deliciados com uma tábua de queijos da serra e uma sopa que nos aqueceu a alma. fomos felizes naquela tarde. A imaginar o que seria se tivessemos vivido num lugar mágico assim. [Para os mais aventureiros, o percurso a pé de Piodão até Foz d´Égua é de cortar a respiração. E a recompensa, essa, vale ouro].

Nessa noite, depois de não termos conseguido chegar à Torre da Serra da Estrela (as estradas estavam todas cortadas), fomos dormir a Viseu. E fomos tão bem recebidos pela magnífica Casa da Sé! Mesmo em frente à famosa Sé de Viseu, ergue-se um prédio com traça antiga, numa casa que conta histórias. E que nos deixa boas memórias. Uma autência relíquia. Quando acordámos, nem queríamos acreditar na vista de sol e cultura que nos envolvia. Um domingo lindo de ramos, onde pessoas de todas as idades e gerações apressavam-se para a missa das 11h00, com os seus ramos de oliveira e alecrim, prontos para serem benzidos, levando fé e boas energias a todos os padrinhos e madrinhas da cidade. Assim o fizemos, e sentimo-nos em casa. 

Ainda antes de voltarmos, fomos conhecer as Fisgas de Ermelo, a ponte de Tarouca - vale a pena conhecer, respirando história e natureza - e, por fim, subimos ao cume da Serra do Marão para ver a neve. Paisagens de perder a vista. Cores incandescentes. E uns miúdos mais do que felizes, Encharcados entre bolas de neve perdidas. Gelados. Mas tão felizes, caramba. Às vezes a vida parece tão leve e tão fácil, que até nos beliscamos para ver se é mesmo verdade.

Partilhado por Francisca Ortigão Guimarães

Deixe o seu comentário!

Comentário submetido com sucesso.
Todos os campos são obrigatórios!
ver 0 comentários