Douro lindo
Segunda, 25 de Março de 2019

Mais do que oferecer "coisas", as famílias deveriam proporcionar experiências, passeios, viagens, arejos. Sejam os Pais ou os Filhos que fazem anos, ou que merecem um mimo. O que interessa é o verbo ir. Lá em casa tentamos sempre aproveitar ao máximo os dias especiais. Na semana passada, juntámos o dia do Pai ao dia de anos do Pai e fugimos para o Douro, para cortar a rotina da semana. Não há melhor.

Fomos recebidos como verdadeiros condes no Hotel Rural Casa dos Viscondes da Várzea, em Lamego. Senti-me a entrar num filme do século passado. Uma casa majestosa, que respira história e boas memórias. A Maria Manuel recebeu-nos de braços e coração abertos. Como se fossemos da família e já nos conhecessemos há anos! É isto que eu gosto nestes passeios e viagens que fazemos. Não é só pelos lugares, mas também pelas pessoas que se vão cruzando connosco e que nos transmitem boas energias. Uma família que é um exemplo de superação, persistência, dedicação e paixão por tudo aquilo que faz. O segredo é nunca desistir dos nossos sonhos. Nem quando tudo parece impossível e distante. Se acreditarmos em nós próprios, é meio caminho andado para conseguirmos aquilo que queremos para a nossa vida.

Jantámos divinalmente na Casa dos Viscondes da Várzea. Adormecemos ao sol das estrelas cadentes. Acordámos com o som dos passarinhos e um sol radioso a entrar pela janela. Um pequeno-almoço majestoso à nossa espera. E um passeio pela quinta que nos encheu os pulmões de oxigénio puro e rejuvenescedor. O ar do campo faz maravilhas ao nosso ego. À nossa família. Ao nosso equilíbrio. Seria bem capaz de viver rodeada desta natureza pura e dura. 

Antes de nos despedirmos desta Casa de sonho, ainda jogámos uma partida de croquet, ao sol e . Quem não conhece, nem sabe o que perde! Basta um relvado, uma família e muito boa-disposição!

Foi um dia do Pai absolutamente memorável numa Casa de família que nos deixou muitas saudades e vontade de voltar. Quem sabe um dia!

Porque é impossível não se apaixonar pela beleza única do Douro. Passo lá todos os verões, desde que me lembro de mim, e não há uma única vez que não adore a vida assim. O Douro é mágico em todas as estações do ano. Com frio. Com calor. Com chuva. Recebe-nos sempre com amor. E desta vez não foi excepção.

Nos anos do Pai, e na continuação do que vos disse no post anterior, quis fazer uma surpresa a toda a família, e proporcionar-lhes um dia diferente. Fomos até à Quinta do Pôpa e ficámos logo deslumbrados com aquela vista! Depois, um pic-nic em forma de almoço que nos encheu a barriga e as medidas. Tudo muito apetecível e delicioso. Mas o melhor foi a prova de vinhos. Experimentámos o vinho de homenagem ao Sr. Pôpa (que tem uma história de vida que vale a pena conhecer durante a visita à adega) e fiquei completamente fã. Talvez dos melhores vinhos tintos que alguma vez já experimentei. Não sou especialista, mas sou muito apreciadora, e digo-vos que um bom copo de vinho, com um pic-nic a condizer, um dia de sol radioso, a família reunida e uma vista de cortar a respiração, foi o melhor presente de anos que pude dar ao Pai Sebastião (que todos os dias merece).

Não acreditam? Então vejam só:


Partilhado por Francisca Ortigão Guimarães